*angel*
   

<< September 2011 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03
04 05 06 07 08 09 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30







Licença Creative Commons
Todos os textos assinados por just_angel estão sob uma Licença Creative Commons.





"Em mim nada secou não possuo a morte no coração, mas sim um pouco de chuva que lentamente apaga o fogo doutros dias mais simples"


"A vida aqui, reduz-se a éfemeros passos, surdas gargalhadas, ideias que se evaporam lentamente. Enfim, o mundo não é assim tão grande..."


"Afastados, tudo o que nos resta é começar a imitar a vida um do outro."


"Escuto o bater do tempo sob as pálpebras e o terrível som da máquina de escrever"


Al Berto



Também escrevo em:
restos de ideias


Outras palavras:

arco íris
catherine
dan
devilred
di*
eternity
exanimatus
francisco
groze
groze's awkward
henzy
ikaruh
joana
maharet
mara
mylostwords
ossa et cinera
pedro e zica
silent soul
stella*
sweetanddeadly
tânia
tristeza
vagamundos
vícios perfeitos
willow_tree






If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed



Monday, September 19, 2011
Um dia a história acaba

Caminho ao longo de um passeio que nos é tão familiar. Releio linhas que escrevi há já algum tempo e encontro-te em todas elas. Hoje escrevo-te apenas para te dizer que te vou deixar para trás. Que o cansaço finalmente venceu-me e o amor que sentia, guardei-o eu numa caixa de recortes que me deste num dia feliz.

Se um dia nos cruzarmos numa qualquer esquina escura, lembrar-me-ei decerto de como te amei até à loucura. Mas hoje tenho que colocar-te um ponto final e escrever o FIM para que saibas que não existe um segundo volume.

Perguntas: porquê agora? E eu respondo-te, num sussurro que sei que não tens interesse em ouvir, que só agora voltei a amar alguém como um dia te amei a ti, com loucura, com entrega, com vontade de percorrer todo o caminho que nos conduz, enfim, à tão proclamada, e raramente vista, felicidade. Estou disposta a tentar, a deixar-me ir, mas para tal tenho que te deixar para trás, tal como tu me deixaste há já tanto tempo, ou seja, não é como se tu te preocupasses. Sabes o que quero dizer-te. Sabes bem o que sinto. Não mudei. Continuas a saber-me de cor.

Digo-te, por isso, adeus. Até um dia. Se os nossos caminhos se cruzarem novamente dir-te-ei um olá e um adeus. Agiremos como conhecidos que não se vêem durante anos e que, passado um tempo, se reencontram para não mais se verem. Colocaremos as perguntas de ocasião e partiremos novamente em direcções opostas, esquecendo as viagens, as conversas nocturnas, as sombras que se uniam nas formas que os corpos desejavam. Não somos um.

E assim me despeço da maior parte do meu coração, a qual, quer queiras, quer não, deixei contigo, perdida em postais e blocos Moleskine.

Adeus!


Posted at 11:39 pm by just_angel

 

Leave a Comment:

Name


Homepage (optional)


Comments




Previous Entry Home Next Entry